Médicos investigados lucram R$ 1 milhão ilegalmente com procedimentos do SUS

Médicos investigados pela Polícia Civil de Goiás lucraram R$ 1 milhão ilegalmente com procedimentos realizados no SUS, de acordo com a Operação Puerperium, feita pela Delegacia Estadual de Combate à Corrupção (Deccor), nesta sexta-feira (26).  

O objetivo da ação da corporação foi cumprir mandados de busca e apreensão em uma apuração sobre a suposta cobrança por procedimentos de saúde que possuíam a cobertura do Sistema Único de Saúde (SUS). Entenda o que ocorreu e veja mais detalhes sobre as investigações. 

Investigados lucraram R$ 1 milhão entre 2014 e 2016  

De acordo com as investigações da Polícia Civil, os 6 médicos investigados lucraram R$ 1 milhão entre 2014 e 2016. Os crimes ocorreram quando atuavam em um hospital particular, conveniado ao SUS. 

Na época, a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) havia fechado um contrato com o hospital para a realização dos atendimentos e procedimentos. Assim, os médicos investigados se associaram ao espaço para aplicarem os supostos crimes. 

O que os médicos faziam?

As investigações da Polícia Civil mostraram que os médicos cobravam pela realização de serviços cobertos pelo SUS. Entre os procedimentos, estava a cesariana para pacientes de baixa renda que estavam internadas pelo SUS. Os valores cobrados pelos suspeitos variavam entre R$ 1.800 e R$ 2.800. 

Além disso, as pacientes deveriam pagar todo o valore até o dia do parto. Somente assim, elas poderiam realizar o procedimento e utilizar os leitos da enfermaria do Hospital Monte Sinai. Do mesmo modo, os médicos cobravam pela realização de exames e cirurgias cardíacas, como a angioplastia coronária, com a colocação de “stent”. 

Assim que a rede municipal encaminhava o paciente ao hospital, ou seja, sob a cobertura do SUS, os médicos mentiam e afirmavam que não poderiam realizar o tratamento gratuito, já que o Sistema Único de Saúde não cobriria. Até o momento, a Polícia Civil ouviu 216 vítimas da enganação dos médicos.

Imagem: rafapress | Shutterstock.com

Fonte: seucreditodigital.com.br